Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Palavras sublimes — Autores diversos


68


Espiritismo com Jesus é amor

1 Meus amigos, muita paz.

2 O Espiritismo abraçará o Evangelho do amor na renovação das criaturas ou jamais passará de simples movimentação intelectual para transposição de ideias. 3 Somos atualmente defrontados não só pelos imperativos da revelação que reajuste a vida, mas, sobretudo, pelas exigências da caridade fraternal que projete nova luz no caminho evolutivo. 4 Não bastará comentar a verdade e estendê-la. É necessário orientar-lhe os impulsos na estrada santificante do bem.

5 Não faltam, mesmo aqui nos Círculos que a morte do corpo nos descerra à visão deslumbrada, inteligências primorosas que se filiam à pesquisa e à indagação, convertendo-se, lamentavelmente, em fontes discutidoras no seio das quais os patrimônios do tempo se perdem à revelia das responsabilidades que nos assinalam os destinos diante da Eterna Bondade. 6 Presidem a conclaves em que as polêmicas assumem caráter ruinoso e destrutivo, ou semeiam a discórdia e a incompreensão, atrasando a marcha de valorosos companheiros, distraídos no duelo das palavras brilhantes.

7 Cedo ou tarde, porém, a realidade modifica a paisagem que nos acolhe em variados ângulos da Terra e entendemos, enfim, que o nosso ministério fundamental com o Cristo é de união pacífica e solidariedade redentora. 8 A sombra não desfaz a própria sombra. Uma ferida não cura outra ferida. Golpes dilatam golpes. Violência acende violência, tanto quanto o fogo desenvolve a fogueira.

9 Ofereçamos clima propício à germinação das sementes divinas que repousam em nós mesmos, fazendo brilhar a luz suscetível de irradiar-se das nossas próprias vidas.

10 A Terra, nossa velha e abnegada mãe comum, não se consome nas horas aflitivas do presente, à míngua de instrução e conhecimento.

11 Em tempo algum da evolução planetária, a Matemática, a Estatística e a História imperaram com tamanha força nos enunciados e manifestações da ciência, da filosofia e da religião dominados pelo raciocínio. 12 Mas em civilização alguma do passado o homem vagueou na crosta do mundo tão desconfiado e tão triste, tão descrente de si mesmo e tão desiludido de socorro e esperança.

13 Desintegra o átomo e destrói-se. Desce aos abismos do mar e sobe aos píncaros das nuvens, entretanto, erige o cenotáfio das próprias grandezas no campo da guerra a que o esforço laborioso dos séculos se reduz a miseráveis punhados de cinzas.

14 Irmãos, iluminado é o caminho, seguro o roteiro!

15 Perdoaremos setenta vezes sete cada dia, amaremos aqueles que nos perseguem e caluniam, emprestaremos sem retribuição, trabalharemos sem propósitos de recompensas! 16 No imediatismo da experiência humana, negar-nos-emos na expressão egoística da personalidade para tomar a cruz do sacrifício de antigas fraquezas e deploráveis ilusões, acompanhando o Senhor no abençoado calvário de nossa própria redenção, ou lavraremos, por nós mesmos, a sentença condenatória que nos marcará o caminho!

17 Espiritismo com Jesus é amor que auxilia, reanima, esclarece, ajuda e salva! 18 Fora de semelhante padrão, permaneceremos sempre na direção do reino escuro de nossos velhos dissídios, criando e exterminando as nossas próprias obras, Espíritos endividados e endurecidos, em oportunidades quase mortas, gravitando, por nossa infelicidade, em derredor de séculos mortos. n


Emmanuel



Reformador — Julho de 1949.


[1] Consta do original a informação de que a mensagem foi psicografada em 13 de maio de 1949, no Centro Espírita Luiz Gonzaga, em Pedro Leopoldo, Minas Gerais.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir