Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Pão nosso — Emmanuel


32


Cadáveres

“Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias.” — (MATEUS, 24.28)


1 Apresentando a imagem do cadáver e das águias, referia-se o Mestre à necessidade dos homens penitentes, que precisam recursos de combate à extinção das sombras em que se mergulham.

2 Não se elimina o pântano, atirando-lhe flores.

3 Os corpos apodrecidos no campo atraem corvos que os devoram.

4 Essa figura, de alta significação simbológica, é dos mais fortes apelos do Senhor, conclamando os servidores do Evangelho aos movimentos do trabalho santificante.

5 Em vários círculos do Cristianismo renascente surgem os que se queixam, desalentados, da ação de perseguidores, obsessores e verdugos visíveis e invisíveis. Alguns aprendizes se declaram atados à influência deles e confessam-se incapazes de atender aos desígnios de Jesus.

6 Conviria, porém, muita ponderação, antes de afirmativas desse jaez, que apenas acusam os próprios autores.

7 É imprescindível lembrar sempre que as aves impiedosas se ajuntarão em torno de cadáveres ao abandono.

8 Os corvos se aninham noutras regiões, quando se alimpa o campo em que permaneciam.

9 Um homem que se afirma invariavelmente infeliz fornece a impressão de que respira num sepulcro; todavia, quando procura renovar o próprio caminho, as aves escuras da tristeza negativa se afastam para mais longe.

10 Luta contra os cadáveres de qualquer natureza que se abriguem em teu mundo interior. Deixa que o divino sol da espiritualidade te penetre, pois, enquanto fores ataúde de coisas mortas, serás seguido, de perto, pelas águias da destruição.


.Emmanuel


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir