Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Perante Jesus — Emmanuel


10


Relações interplanetárias

1 Meus amigos,

O Espiritismo — renascença do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo — é uma Doutrina Racional, sem quistos dogmáticos que lhe deformem o corpo de revelações simples e puras, brilhando por luminoso caminho de aperfeiçoamento das almas e assimilando, sem resistência, todas as conquistas filosóficas e científicas da Humanidade.

2 No campo de nossos postulados, reconhecemos a Terra como singelo degrau evolutivo no Sistema Solar, em que nos integramos, nosso precioso domicílio cósmico que, por sua vez, empalidece, quase insignificante, quando confrontado com os largos domínios do Universo, além da Galáxia, em que a Vida Infinita nos situa o aprendizado.

3 Não ignoramos, assim, que outros mundos enxameiam no espaço, revelando a Sabedoria do Criador, e que outras Humanidades evoluem no rumo da perfeição, qual acontece conosco, através do trabalho e da experiência.

4 Semelhantes conclusões, a nosso ver, todavia, agravam as nossas responsabilidades no serviço que devemos ao Mundo, porque qualquer conquista da Terra no campo de relações interplanetárias não modificaria o quadro inquietante de nossas necessidades morais, junto ao qual compete o incessante esforço da educação, para que se intensifiquem e aperfeiçoem as relações espirituais entre a plenitude de Cristo e a carência dos Homens.

5 Cabe-nos, pois, tão somente, por agora, a vós outros e a nós, trabalhadores encarnados e desencarnados, o árduo ministério de nossa própria reforma íntima com o bem infatigável a nossos semelhantes, nos padrões de Jesus, a fim de que o reino do Amor se estabeleça na Terra, habilitando-nos à comunhão com os Planos Superiores.

6 Desse modo, segundo cremos, qualquer manifestação próxima ou remota dos habitantes de outros planetas, em nosso Globo, não pode alterar o nosso programa de trabalho, uma vez que a nossa missão é estritamente espiritual, não obstante abranger, como é justo, qualquer estudo digno em torno de problemas que nos firam a marcha.

7 Somos operários do espírito, colaborando na edificação do mundo novo, a começar pelo aprimoramento de nós mesmos, sob a inspiração do Cristo, nosso Divino Mestre. Essa é a nossa glória maior.

8 Não seria, pois, razoável, desertar do nosso setor de ação edificante para substituir astrônomos e estadistas na esfera de observação e de luta que se lhes descerra à inteligência na ordem material.

9 Estejamos firmes na obra silenciosa e redentora que nos cabe realizar sob a égide do Senhor, porque, de outro modo, estaríamos menosprezando os “talentos da oportunidade” de nossa cooperação no Evangelho, convertendo o santuário de nossos princípios em mais de um dos pontos conturbados de conflito humano, dentro dos quais a indagação muitas vezes desorientada e insensata, reclama a luz da verdade sem o concurso do tempo através da perturbação e do estardalhaço sem razão de ser.


Emmanuel


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir