Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Correio fraterno — Autores diversos


41


A mania do Rangel

1 Aquilo já era mania.

Conquanto espírita esclarecido, Alcindo Rangel cultivava a brincadeira de mau gosto. Introduzia boatos na conversação séria ou articulava silvos agudos, amedrontando companheiros desprevenidos.

2 Vez por outra, depois da caçoada, a vítima era constrangida a medicação, a fim de se refazer. Nas reuniões mediúnicas, Bernardo, o amigo espiritual que o atendia, frequentemente não se cansava de aconselhar:

3 — Alcindo, meu irmão, alegria e pilhéria são assuntos opostos. Alegria é saúde espiritual, pilhéria é desequilíbrio vibratório. Gracejo inconveniente é dardo invisível. Evitemos manejá-lo. Piada infeliz pode determinar desastre e morte. Imagine você, dirigindo um carro, sob a tensão de notícia falsa ou levando um choque, de corpo desgastado pela doença…

4 Rangel ouvia as admoestações, respeitoso e calado, mas prosseguia no antigo vezo. Quando não fantasiava gemidos e clamores, ei-lo a fabricar escorpiões e cobras de borracha ou papel, pelo simples prazer de intimidar pessoas e fazer anedotas.

5 Certa feita, o diretor de oficinas veio chamá-lo no escritório para registrar a solicitação de um cliente. Dirigindo-se para o local de atendimento, reconheceu um amigo na presença do homem a quem observava pelas costas.

6 Amaciou o passo, aproximou-se, pé ante pé, e, renteando com ele, pespegou-lhe enorme grito aos ouvidos desavisados.

7 O homem tombou de susto e, com ele, caiu no piso um objeto que guardava entre as mãos, produzindo forte estampido.

8 Era um revólver que o amigo trazia a conserto. Na queda, a arma disparara a última bala que se lhe encravara no pente, alvejando Rangel no tórax e obrigando-o a receber socorro imediato da cirurgia, com semanas de aflição e meses de hospital.


.Hilário Silva


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir