Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Cartilha da Natureza — Casimiro Cunha


74


A poda

  1 Quando é necessária ao campo

  Produção forte e fiel,

  Não se pode prescindir

  Da poda quase cruel.


  2 É dolorosa a tarefa

  Que se comete ao podão,

  Não só nos tempos de inverno,

  Como em tempo de verão.


  3 No pomar esperançoso,

  Na vinha feita em verdura,

  Há, dores indefiníveis

  Que nascem da podadura.


  4 Velhos ramos opulentos,

  Dilacerados ao corte,

  Despenham-se amargurados,

  Vencidos de angústia e morte.


  5 Esforça-se a podadeira

  No galho que cede a custo,

  E as frondes carinhosas

  Parecem tremer de susto.


  6 Muita vez, toda a folhagem

  Sucumbe, desaparece,

  Nobres hastes mutiladas

  Dão mostras de mãos em prece.


  7 Mas, depois, findo o tormento,

  Passada a grande agonia,

  Vem a luz da primavera

  Nas colheitas de alegria.


  8 Tudo é festa de beleza,

  Abundância, fruto e flor,

  Devendo-se tudo à bênção

  Da poda que trouxe a dor.


  9 Necessita-se igualmente,

  No campo das criaturas,

  Das podas em tempo calmo,

  Em tempos de desventuras.


  10 Nas fainas da luta humana,

  O sofrimento é o podão:

  Não te furtes à grandeza

  Das leis de renovação.


.Casimiro Cunha


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir