Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Cartilha da Natureza — Casimiro Cunha


67


O cipó

  1 Sobre a árvore frondosa

  Que mostra calma infinita,

  Abraçada ao tronco forte

  Lá se vai o parasita.


  2 Não atinge o cerne, a seiva,

  Mas, buscando a copa, as flores,

  Enrodilha-se, teimoso,

  Nas cascas exteriores.


  3 Agarrado tenazmente,

  Vai subindo vagaroso,

  Alcançando o cume verde

  Do arbusto generoso.


  4 Aboletado nos cimos

  Do castelo de verdura,

  O cipó audacioso

  Aparenta grande altura.


  5 Deita flores opulentas

  De expressão parasitária,

  Avassalando a nobreza

  Da árvore centenária.


  6 Recebe os beijos do Sol,

  Embala-se na ternura

  Da carícia perfumosa,

  Da brisa mais alta e pura.


  7 Mas, vem o dia em que o Pai

  Na lei de renovação,

  Chama o tronco nobre e velho.

  As bênçãos da mutação.


  8 É aí que o cipó vaidoso

  Demonstra o que não parece,

  Voltando ao pó do chão duro,

  Para as zonas que merece.


  9 Quanta gente brilha ao alto,

  E, no fundo, inspira dó?

  Há milhões de criaturas

  Vivendo como o cipó.


  10 Jamais olvides a lei

  De trabalho e obrigação,

  Não queiras mostrar-te ao alto

  À custa do teu irmão.


.Casimiro Cunha


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir