Bíblia do CaminhoTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Correio do Além — Familiares diversos


3


Carmen Galves Latorre

Carmen Galves Latorre, nascida em São Paulo no dia 15 de agosto de 1928, era alegre e comunicativa e desde 1957 trabalhava pelo Espiritismo. Após seu desencarne, a 2 de junho de 1979, Carminha enviou, no dia 30 de maio de 1980, uma longa mensagem psicográfica dirigida a seu marido Savério Latorre, fundador e presidente do Grupo Espírita Batuíra, e a seus parentes e companheiros.


DEPOIMENTO


“Gostaria de externar toda minha gratidão e reconhecimento ao querido irmão Francisco Cândido Xavier, de quem recebi, através de sua mediunidade, a carta enviada pela minha querida esposa e companheira, Carminha.”


.Savério Latorre


MENSAGEM


1 Savério, Deus nos abençoe. Este é um grande momento.

2 Depois de haver conversado através do nosso Spartaco, venho à escrita, tentando agradecer pelas mãos de nosso estimado Chico.

3 Tudo é tão diferente e tão imprevisto, que não tenho facilidade para começar esta carta. Ainda assim, estou sendo auxiliada e não devo desistir.

4 Agradeço ao Spartaco e à Zita, ao Douglas e Rosalina, ao Gino e Ana, n incluindo a todos de nosso querido Grupo Espírita Batuíra pelo auxílio que me estendem para que me sinta eu mesma.

5 Quando me aproximei de vocês, não consegui alterar a sensação de alegria que me reservavam com a possibilidade de falar pelo nosso amigo Spartaco.

6 Hoje, porém, desejo concentrar-me interiormente de modo a fixar com mais firmeza a gratidão que sinto por todo o bem que me fizeram.

7 Os últimos dias, Savério, foram de grandes dificuldades. Perdoe-me se fui perdendo a resistência. As dores foram crescendo e a calma diminuiu… 8 Por fim, já orava pedindo aos Amigos Espirituais que me trouxessem o descanso. No íntimo, você estava em meu pensamento, na figura da âncora que ainda me prendia à Terra ou à nossa casa.

9 Numa enfermidade grave, hoje penso que vamos eliminando todos os motivos para o apego ao mundo e apesar dos vínculos que me guardavam o coração na família, você representou, por fim, a razão para que eu lutasse por permanecer.

10 Desculpe a companheira pelas impaciências e gemidos… 11 Felizmente, quando me coloquei na aceitação total dos desígnios de Deus, adormeci à feição da criança que se refugia no regaço da mãe… E não me enganara. 12 Despertei sob a ternura da mamãe que me conservara entre os braços e me pedia coragem e paciência… 13 A princípio, não compreendi bem se sonhava ou se me achava em alguma ilusão que não conseguia repelir. Minha fraqueza era muito grande. 14 Deixei-me ficar onde estava, sem opor resistência. Bastava-me naquela hora pensar que voltava à infância sob o carinho de minha mãe.

15 Não dava a situação para que eu fizesse muitas reflexões, no entanto, em certo momento, no recanto em que me achava, escutei a voz forte do Spartaco na prece em que pedia às irmãs Dolores n e Daniela n me recebessem… 16 Compreendi que a transformação se realizara. 17 A sensação de alívio que eu experimentava me dizia que me achava em outro corpo, mas não dispunha de energia para demonstrar qualquer espanto.

18 Minha mãe me aconselhou repouso e dormi novamente para acordar em um lar de bênçãos, no qual reencontrei não apenas minha mãe com mais segurança de raciocínio, mas principalmente a querida Maria Mádia,°n a sua irmã que sua mãe, nossa irmã Ana, n me apresentou, não como filha, mas na condição de mãe dos nossos filhos que ela deixara no mundo. 19 Encontrei a presença de nossa Daniela que a prece do Spartaco mencionara, revi a presença do irmão Ulisses n e de outras criaturas amigas que não se pode esquecer.

20 Tudo estava de novo em paz. Entretanto, veio a saudade trazendo você no centro de tudo, a nossa Ana Mádia n e os netos. As palavras do Juninho, do Eduardo e do Fábio n voltavam aos meus ouvidos.

21 O Chico e a Nena, n o Pedro e a Anastácia, n a Quina e o Luiz, n os sobrinhos todos, o Pedro Luiz e o Luiz Alberto, n o José Francisco e a Rose, n a nossa Ana Mádia n e todos os corações que se ligaram aos nossos…

22 Quem conseguiria evitar as minhas lágrimas? Lembrei-me do Hamilton n e de todos os que Deus nos concedeu para companheiros de escola na Terra e minha mãe permitiu que eu chorasse quanto quisesse, porque minhas lágrimas eram de amor e de ausência, sem que nenhuma rebeldia me tirasse os sentimentos. Todos os companheiros do Batuíra, a começar de nosso Spartaco, estavam em minhas lembranças… A saudade de todos me tomava o coração…

23 Mas uma grande alegria estava guardada para mim. Naquela sala em que me achava, vieram ter alguns dos nossos irmãos da Brasilândia n a me oferecerem boas vindas… 24 Então compreendi que não podia parar em meus sentimentos pessoais e sim refazer-me para trabalhar e ser útil. 25 Depois de alguns dias, pude regressar ao nosso Grupo e rever amizades, agora na condição dos amigos que, em outros tempos, eu desejava tanto rever, sem que os olhos físicos me ajudassem.

26 Agradeço a todos os irmãos que oraram em meu favor e a todos da família, sem me esquecer de nossas irmãs Vitória, Maria, Ana, Lucrécia n e todos que eram para nós os portadores da paz e da felicidade.

27 Não quero esquecer a Ana Maris, n de nossa Quina e nosso Luiz, n conquanto a lista esteja crescendo. 28 Desejo, porém, esclarecer que não estou desmemoriada e que preciso ser reconhecida.

29 Savério, diga à nossa filha que a paciência de mãe, é uma luz em casa e, por isso, rogo a Deus para que ela esteja sempre compreensiva e calma. 31 Em todos os lares do mundo existem problemas e unicamente através dos problemas é que conseguiremos aprender o que se deve fazer e como fazer. Jesus abençoará a nossa Ana Mádia e o Hamilton com os nossos netos queridos, para que a paz e a alegria estejam sempre conosco.

32 Sei que você não conseguiu se habituar com o apartamento dentro da nova situação, permanecendo com a nossa filha, mas se posso pedir a você alguma coisa, rogo a você conservá-lo. 33 Compreendo que as esposas na Vida Espiritual, quando se entregam à fé em Jesus, se transformam em mães dos esposos que ficam. Desse modo, peço em minhas orações para que você encontre uma readaptação que nos permita utilizar o nosso ambiente com o carinho de sempre.

34 Envio a todos os irmãos e a todos os companheiros do nosso Batuíra, muitas lembranças. Para fazer algum sorriso em Ana, Rosalina e Neide n quero dizer a elas que o chocolate em Brasilândia, nos dias muito frios, era mesmo o recurso para garantir o trabalho. 35 Ninguém julgue, porém, que houvesse, de minha parte, esquecido os meus regimes. De chocolate só me servia mesmo era o aroma, porque os pratos frios eram rigorosamente meus e eu sabia disso. 36 Tudo está bem e se voltei naquele princípio de junho, é que o meu tempo era realmente chegado.

37 Continuar a conversa seria o melhor para mim, mas preciso terminar. Repito, sem escrever todos os nomes queridos de nossa família e do nosso Grupo, o meu abraço de muita saudade e reconhecimento.

38 Ainda um trecho que não posso esquecer. Parabéns à Rose e ao Manoel n pelo casamento que assisti, pedindo a Jesus os abençoe sempre.

39 E para você meu caro Savério, esposo e amigo, o coração reconhecido de sua


.Carmen Galves Latorre

30 de maio de 1980.


NOTAS


1 — Spartaco e Zita Ghilardi; Douglas e Rosalina M. Belini; Gino e Ana Segundo — companheiros do Grupo Espírita Batuíra.

2 — Dolores Sanches Galves — falecida em 19 de setembro de 1942.

3 — Daniela Blasques Moreno — falecida em 1978.

4 — Maria Mádia Latorre — cunhada falecida em janeiro de 1926.

5 — Ana Manquize Latorre — mãe de Savério, desencarnada em 2 de agosto de 1962.

6 — Ulisses José Martins — diretor do Grupo Espírita Batuíra, desencarnado em 1978.

7 — Ana Mádia Latorre Barreiros — sua filha.

8 — Júnior, Eduardo e Fábio Barreiros — seus netos.

9 — Francisco e Encarnação Galves — irmão e cunhada.

10 — Pedro e Anastácia Galves — irmão e cunhada.

11 — Joaquina e Luiz Latorre — irmã e cunhado.

12 — Pedro Luiz e Luiz Alberto Galves — sobrinhos, filhos do irmão Pedro Galves.

13 — José Francisco Galves e Roseli Galves Marques de Oliveira — sobrinhos, filhos do irmão Francisco Galves.

14 — Hamilton Barreiros — genro.

15 — Brasilândia — local de trabalho em assistência social.

16 — Vitória De Lucia Latorre, Maria Juliane Latorre, Ana Danieli Latorre, Lucrécia Taranha Latorre — cunhadas.

17 — Ana Maris Latorre — sobrinha, filha da irmã Quina.

18 — Neide Gandolfo Oliva — companheira do Grupo Espírita Batuíra.

19 — Manoel Antônio Marques de Oliveira — casado com sua sobrinha Roseli.


.Beatriz L. P. Galves


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir