Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Cartas do Coração — Autores diversos — 1ª Parte


52 n


Palavras de um médico

1 Há momentos em que precisamos confiar ao Senhor a essência dos nossos mais íntimos cuidados.

2 A vida não é patrimônio do nosso capricho individual e o caminho em que nos cabe marchar para a frente é, sobretudo, traçado pela Divina Sabedoria.

3 Nem sempre sabemos o que desejamos, contudo o Mestre conhece aquilo de que realmente carecemos.

4 Quanto seja possível ao nosso sentimento, inclinemo-nos perante os Desígnios Superiores que nos alteram os planos e prossigamos para a vanguarda de luz em que devemos situar o coração de trabalhadores do bem.

5 Ao médico é concedido o mais alto dos títulos na esfera de assistência à vida na Terra. Se os sacerdotes do pensamento religioso semeiam a luz de Deus nas almas, os médicos são os missionários do equilíbrio da existência humana, garantindo a harmonia do campo em que a fé renovadora conseguirá brilhar.

6 Sem dúvida, contam-se por milhares aqueles que, desviados do verdadeiro sentido do trabalho que lhes compete, se arrojam aos despenhadeiros da indiferença, traindo o mandato recebido de Mais Alto, entretanto, não ignoramos o imperativo de nossas responsabilidades e sabemos que, acima de tudo, é necessário saibamos agir e servir, nas fileiras dos que se devotam à felicidade de todos.

7 Para nós, o sacrifício pessoal e a renúncia constante serão o clima inevitável das mínimas cogitações. Por isso mesmo, olvidar os deveres que a luta nos impõe seria menosprezar a nossa mais valiosa oportunidade de elevação.

8 Não permitamos que a sombra da dúvida nos invada o espírito.

9 Levantemo-nos espiritualmente e prossigamos.

10 Recordemos que a morte é simples ilusão. 11 Exige-se de nós outros na atualidade mais senso de compreensão dos nossos serviços nos círculos médicos, a fim de que os nossos princípios se refaçam.

12 Realmente, os nossos arraiais acadêmicos ainda se acham minados pelo materialismo da semi-ciência e o soro frio da negação enregela preciosas formações nascentes, no campo de nossas manifestações culturais, mas, a pouco e pouco, amparados na coragem dos colegas que nos continuam os esforços, esperamos criar novos valores para o futuro glorioso que nos cabe atingir.

13 Não esmoreçamos! Podemos fazer muito pela classe a que pertencemos e pela comunidade a que servimos. Dispomos de recursos, de influências, de meios espirituais que facilitam a ascensão.

14 Estudemos! Temos um mundo novo à frente do raciocínio.

15 Urge o tempo! Hoje a estrada se descortina cheia de luz. Amanhã, se soubermos semear, a colheita será rica de bênçãos.

16 Defendamos a oportunidade de triunfar no labor esposado na Terra, a fim de que nossas experiências se dirijam no rumo do porvir, enriquecendo a senda de muitos.

17 Para a verdade, não importam os títulos externos da criatura. A roupagem dos pontos de vista é igualmente transitória como a indumentária do corpo. A realidade pede substância prática, riqueza intrínseca.

18 Não nos propomos converter a personalidade nisso ou aquilo, na rotulagem das ideias ou das confissões variadas a que se filiam os ideais das igrejas terrestres. Pretendemos, simplesmente, a posição de portadores do bom ânimo e da coragem, a fim de que o remédio não se perca nos desvãos da incerteza e da sombra.

19 Sigamos à frente. A nossa família não se circunscreve às quatro paredes do nosso movimento doméstico. Estende-se em todos os lugares, onde um doente chama por nós, confiando-nos a esperança.

20 Sejamos fortes e restauremos as energias para a batalha do bem, em que sempre nos colocamos, nas linhas da abnegação e da frente.

21 Nossa responsabilidade é maior que nós.

22 Nossos deveres superam nossas dores.

23 O interesse de todos compele-nos ao esquecimento do “eu”, que tanto nos empenhamos em adornar e conservar.

24 Recordemos que o Cristo foi o Mestre da Verdade, mas foi também, entre as criaturas, o Divino Médico da Saúde e da Alegria. Sigamo-Lo na faina abençoada de materializar-se as lições de amor e estejamos certos de que a Sua proteção jamais nos faltará.


Francisco Fajardo



Nota — Trecho da mensagem particular, dirigida a um médico presente à reunião de 17-1-1952, em Pedro Leopoldo.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir