Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Caminhos do amor — Maria Dolores


5


Um caso da vida

  1 Perante vinte alunos reunidos,

  O professor convidou, conselheiral:

  — Apressem-se rapazes! Sigamos para a luta contra o mal.

  Conheceremos hoje um menor, bandido dos bandidos,

  É o famoso “Pé Ligeiro”…

  Jovem falcatrueiro,

  Que não tem mais que dezessete anos

  E já se fez autor de crimes desumanos.


  2 Um amigo delegado

  Já nos comunicou que ele foi baleado

  Pelo dono de nobre moradia;

  Nós que nos dedicamos ao Direito

  Devemos dissecar

  Qualquer problema que interesse a vida.


  3 Registremos o assunto:

  Aqui e além, nos arredores,

  Ampliam-se os delitos de menores…

  Por que tantos meninos delinquentes?

  Taras congeniais? Leituras negativas?

  Maus tempos sobre a Terra,

  Com a infância trazendo horrendas iniciativas

  Ou descaso de pais indiferentes?


  4 Sabemos que o rapaz foi alvejado,

  Quando furtava joias e dinheiro.

  Agora, está na Detenção.

  Entretanto, sabemos, de antemão,

  Que o meliante

  Mostra extrema exaustão,

  Esperando-se dele a morte, a cada instante.


  5 O Professor fez pausa,

  Depois voltou a comentar:

  — Creio que poderemos estudar

  Certas lições do mundo em “Pé Ligeiro”,

  Se ele estiver falando,

  Já que foi baleado e está fora do bando.


  6 Nesse clima de franca indagação

  O grupo aconchegado,

  Após cumprimentar o delegado,

  Reúne-se, de novo, em úmido salão.


  7 “Pé Ligeiro”, — explicou a autoridade, —

  Está no fim… Fatigado e ferido,

  Nada lhe estanca o sangue… Chora, mais abatido,

  Não sei se ele aguentará qualquer conversação…


  8 Dois soldados trouxeram-no na maca.

  Era um rapaz franzino,

  Temível delinquente em corpo de menino…

  No entanto, à frente dele, o professor estaca;

  Ante o moço a morrer, pálido e maltrapilho,

  Reconhecera ele o próprio filho…


  9 Pai! — disse o ferido em voz dorida e fraca…

  Trêmulo e acabrunhado,

  O guia dos alunos respondeu:

  — Pois é você, meu filho, assim caído?

  O famoso bandido?


  10 O rapaz replicou: — Eu,

  Eu sei que estou perdido…

  Há mais de nove anos,

  Desde quando o senhor deixou a nossa casa,

  Tenho vivido por aí…

  Matei, roubei, bebi,

  Fiquei desorientado…

  Mas agora já sei que estou no fim,

  Não há mais esperança para mim…


  11 Depois da longa pausa que se fez,

  Voltou-se o professor e falou-lhe outra vez:

  — Que quer você, meu filho, que se faça?

  — Quero ver minha mãe… — pediu o interpelado.


  12 O professor uniu-se à autoridade

  E esclareceu, disfarçando o próprio acanhamento:

  — Há tempos, anos bem antes de meu casamento,

  Tive um caso infeliz, um laço antigo;

  Uma jovem de vida irregular

  Deu-me dois filhos, mas depois

  Veio a separação entre nós dois…

  Logo após, avisou, que a mulher

  Sobre a qual o rapaz se referia,

  Morava, longe, na periferia,

  A cavaleiro da cidade…


  13 Mas um carro ganhou distância e tempo…

  Em minutos chegou a mãe desconsolada

  Trajando roupa remendada;

  Abeirou-se ao pobre agonizante

  E exclamou: — Ah! meu filho, meu filho,

  Eu pressentia

  Que a sua estrada assim terminaria!…


  14 Ele fitou-a, triste, e murmurou, cansado:

  — Perdoe, mamãe! Eu fui o “Pé Ligeiro”

  Mas fui sem companheiro!…


  15 A pobre sem fitar a mais ninguém na sala

  Beijou o agonizante e disse: — Diga, filho,

  Que deseja você de mim, na angústia desta hora?

  Ele coloca o olhar no rosto da senhora

  E pede-lhe, por fim:

  — Mãe, eu quero Jesus,

  Peça a Jesus por mim!…


  16 Ela compreendeu que o filho na lembrança

  Recordava-lhe as preces

  Que ela mesma lhe dera ao tempo de criança…

  Ajoelhou-se a pobre e murmurou, em pranto:

  — Fale, filho,

  Jesus!…

  Nosso Mestre e Senhor,

  Dá-nos de tua luz,

  Perdoa as nossas faltas

  E dá-nos teu amor!…


  17 Mas o filho, ao ouvi-la, adormecera…

  Dera-lhe a morte ao rosto estranha cor de cera.

  E eu mesma, dominada de emoção,

  A chorar, repetia a expressiva oração:

  — Jesus!…

  Nosso Mestre e Senhor,

  Dá-nos de tua luz,

  Perdoa as nossas faltas

  E dá-nos teu amor!…


Maria Dolores


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir