Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Bênção de paz — Emmanuel


17

Na luta educativa

“Mas pela graça de Deus sou o que sou…” — PAULO (1 Coríntios, 15.10)


1 Ninguém nos desconhece a inferioridade de Espíritos ainda vinculados aos processos evolutivos da Terra, sempre que tenhamos as nossas condições imperfeitas confrontadas com as qualidades sublimes que imaginamos nas entidades angélicas.

2 Não nos é lícito, porém, negar os recursos de aperfeiçoamento que já nos felicitam. Somos incipientes no trato dos conhecimentos superiores, mas já estamos instruídos quanto à necessidade de adquiri-los.

3 Achamo-nos empenhados a débitos enormes, diante de muitas existências transcorridas no erro; no entanto, já sabemos que, se formos leais ao cumprimento dos deveres que o resgate nos impõe, é possível atenuar muitas dificuldades e transpor vitoriosamente as barreiras que nos separam da vitória sobre nós mesmos.

4 Experimentamos tentações escabrosas, segundo as falhas que ainda nos marcam a posição; todavia, não ignoramos que triunfaremos sobre todos os alvitres da sombra, desde que estejamos atentos aos impositivos do serviço e da vigilância.

5 Percebemos as fragilidades que nos assinalam a existência para o levantamento de construções morais nos domínios da virtude; entretanto, dispomos das mais nobres instruções para guiar-nos no caminho da elevação.

6 Melhoremo-nos, melhorando a vida.

7 Aprendamos para ensinar.

8 Impossível ocultar as deficiências de que somos ainda portadores; conquanto isso, podemos parafrasear Paulo de Tarso, asseverando: dentre os Espíritos devedores e imperfeitos, reconhecemos estar em meio dos mais necessitados de regeneração e ensinamento, mas pela graça de Deus já somos o que somos.


.Emmanuel



(Reformador, julho 1965, página 148)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir