Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


58

Jorge de Lima


AH! SE EU PUDESSE…

  1 Que tem este meu corpo,

  este meu corpo transparente? 2 n

  Penso habitando um vaso de cristal.

  2 Para onde foram as minhas rugas?!

  Esconderam-se as rugas 5 n

  em mocidade nova…

  3 Aonde ficou a minha opacidade? 7 n

  Onde estão os quilos de meu corpo? 8

  Sou agora tão diferente,

  qual pluma leve e multicor…


  4 O que há? O que há?

  Se a minha fome se modificou!

  Hoje aspiro a essência dos deuses!

  5 E esta luz,

  esta luz que surge em mim! 15

  Há uma tocha escondida no meu peito.


  6 Se não estivesse tão calmo, teria medo,

  muito medo… 18


  7 E a vontade?

  Minha vontade está valendo mais.

  Nunca mais invejarei os passarinhos… n


  8 Mas, a memória!?

  Oh! memória, 23

  não venha mais aqui!…

  Toda vez que volto atrás

  sofro até chorar…


  9 Ah! se eu pudesse fazer o mundo

  sentir o que sinto!…


  10 Ah! se eu pudesse… 29 n


ASCESE

  1 Lá vai…

  — Que é?

  — Um oceano de suor. n

  2 Lá vai…

  — De onde vem?

  — Da nascente do nada.

  3 Lá vai… 36

  — Aonde vai?

  — Ao estuário do infinito.


  4 Afinal, a libertação.

  Momento de apoteose na Eternidade.

  Fieiras de milênios e de vidas…

  Labirintos de ideias e paixões…

  Andanças, quedas, levantares,

  novas quedas, novos recomeços…

  5 Agora, outras formas, outras dimensões,

  outros grãos da poeira cósmica.

  Novos céus, novas terras, novos Cristos…

  6 Múltiplas emoções fluem da Inteligência.

  Novos ares do Universo,

  novos panoramas,

  novas perspectivas

  no calidoscópio do existente… n

  7 Rompimento do indevassável,

  vitória sobre o impossível,

  disciplina do caos…

  8 Além dentro do ser…

  Além sem limitações… n

  Além, além do além… n

  Convivência mais íntima nas causas…


  9 Aonde pensa

  o viandante das nebulosas?

  O que faz ele?

  Qual a sua fisionomia?

  10 Voltará por aqui?

  Ninguém sabe… n

  Ninguém sabe… n


JORGE Mateus DE LIMA — Tendo concluído o curso médico, em 1914, no Rio de Janeiro, volta Jorge de Lima, em 1922, a Maceió, onde é recebido como o “Príncipe dos Poetas Alagoanos”. Poeta, romancista, jornalista, contista, ensaísta, professor de Literatura na Universidade do Brasil, era um talento multívio. Em sua última fase literária, após ter abandonado o modernismo regionalista que tanta fama lhe trouxera, J. de Lima “incursionou pela poesia religiosa e terminou cultuando uma poesia quase abstrata, ou tirante a escrita automática”. (Péricles E. da Silva Ramos, in A Lit. no Brasil, III, t. 1, pág. 609.) Referindo-se ao Livro de Sonetos do poeta, J. Fernando Carneiro “informa, com sua autoridade de médico, amigo e exegeta de Jorge de Lima, que ele escreveu todo o livro, 77 sonetos e mais 25 que continuaram inéditos, em pleno estado hipnagógico e no espaço apenas de 10 dias”. (apud A. Rangel Bandeira, Jorge de Lima…, pág. 115. ) “O poeta que escreveu a Invenção de Orfeu, e se chamou Jorge de Lima,” — disse Eduardo Portella — “foi dos mais complexos e fortes de toda a nossa poesia moderna.” “Muitas vezes” — observa Rangel Bandeira (ibidem, pág. 123) — “Invenção de Orfeu dá a impressão de ter sido um livro psicografado; era Jorge de Lima que registrava seu próprio delírio.” Segundo Fernando Carneiro, o poeta alagoano foi “a encarnação da bondade”: “Tudo em Jorge de Lima estava envolto num halo de bondade, até a sua tristeza, até as suas fraquezas.” (União dos Palmares, Est. de Alagoas, 23 de Abril de 1893 * — Rio de Janeiro, Gb, 15 de Novembro de 1953.) — (*) Ver Antônio Rangel Bandeira, Op. cit., pág. 16.

BIBLIOGRAFIA: XIV Alexandrinos; Poemas; Poemas Escolhidos; Tempo e Eternidade; Invenção de Orfeu; etc.


Nota. Vamos, em seguida, transcrever pequeno trecho do “Poema do Cristão”, de A Túnica Inconsútil (apud Luiz Santa Cruz, N. Cl., nº 26, pág. 57), de autoria do distinto poeta, quando ainda entre os homens:


“Os milênios passados e os futuros

não me aturdem porque nasço e nascerei,

porque sou uno com todas as criaturas,

com todos os seres, com todas as coisas,

que eu decomponho e absorvo com os sentidos,

e compreendo com a inteligência

transfigurada em Cristo.

Tenho os movimentos alargados.

Sou ubíquo: estou em Deus e na matéria;

sou velhíssimo e apenas nasci ontem,

estou malhado dos limos primitivos,

e ao mesmo tempo ressoo as trombetas finais,

compreendo todas as línguas, todos os gestos, todos os signos,

tenho glóbulos de sangue das raças mais opostas.”



[1] 2-15. Exemplos de anadiplose: “…este meu corpo, / este meu corpo… — “E esta luz,/ esta luz que…”

[2] 5-18-23. “Para onde foram as minhas rugas?!/ Esconderam-se as rugas”; “Se não estivesse tão calmo, teria medo,/ muito medo…”; “Mas, a memória!?/ Oh! memória”. Exemplos de epífora: “Nome dado à FIGURA que resulta quando se repete a mesma palavra ou frase no fim de vários VERSOS…” (Geir Campos, Op. cit.)

[3] 7-8. Aonde-Onde. No Roteiro Literário do Brasil e de Portugal, vol. I, pág. 48, nota 5, lê-se: “onde: aonde. Nos melhores autores, antigos ou modernos, não se observa, em geral, a distinção entre onde e aonde que os gramáticos acham ser de rigor.”

[4] Refere-se o poeta à possibilidade que tem o Espírito de se locomover pela volitação.

[5] 29-36. Exemplos de anáfora: “Ah! se eu pudesse!” e “Lá vai…”

[6] Atente-se na hipérbole.

[7] Observem-se a enumeração e os diversos exemplos de poliptoto.

[8] Anáfora.

[9] Epanalepse, mesarquia e mesotelêuton: “Além, além do além…”

[10] Observe-se, ainda, a palilogia: “Ninguém sabe… / Ninguém sabe…” Palilogia: “Nome dado à FIGURA que resulta quando se repete por inteiro uma frase ou um VERSO,… (Geir Campos, Op. cit.)


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir