Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 1ª Parte


15

Leite Júnior


VERSOS A MEU CORPO

  1 Tombaste, enfim, cansado, vaso amigo.

  Já não posso dizer-te: “luta e ama!” n

  Companheiro sereno de meu drama,

  Não sofreste no mundo, em vão, comigo.


  2 Lâmpada que guardaste a etérea chama

  Das dores que vivi… Roupa e jazigo…

  Unindo as nossas lágrimas, prossigo n

  Ante o porvir que a morte me reclama.


  3 Parto agora, buscando novo ninho…

  Não te deixo, porém, triste ou sozinho,

  Nas surpresas que o túmulo descerra…


  4 Mesmo atirado à sombra que se espalma,

  Terás contigo os sonhos de minhalma,

  Nas flores que te cobrem sobre a terra.


João Ferreira LEITE JÚNIOR — Poeta e jornalista, usou vários pseudônimos. Funcionário da Fazenda, serviu na Delegacia Fiscal de Curitiba e do Rio de Janeiro. Nesta última cidade, um incêndio destruiu-lhe manuscritos de vários volumes de versos inéditos (A. Muricy, Pan. Mov. Simb. Bras., II, página 206). Foi sócio fundador do Centro de Letras do Paraná. “Colaborou nas revistas simbolistas de seu Estado,” — diz Fernando Góes (Pan. IV, pág. 219) — “e de uma delas, O Sapo, foi fundador.” (Curitiba, Paraná, 3 de Março de 1876 — Curitiba, 28 de Setembro de 1930.)

BIBLIOGRAFIA: Ritual; numerosas poesias dispersas.



[1] Ler luta e ama com hiato.

[2] Observe-se a expressividade desse “enjambement”.


(Psicografia de Francisco C. Xavier)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir