Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 1ª Parte


2

Adelino Fontoura


JORNADA

  1 Fui átomo, vibrando entre as forças do Espaço,

  Devorando amplidões, em longa e ansiosa espera… n

  Partícula, pousei… Encarcerado, eu era

  Infusório do mar em montões de sargaço.


  2 Por séculos fui planta em movimento escasso,

  Sofri no inverno rude e amei na primavera;

  Depois, fui animal, e no instinto da fera

  Achei a inteligência e avancei passo a passo…


  3 Guardei por muito tempo a expressão dos gorilas,

  Pondo mais fé nas mãos e mais luz nas pupilas,

  A lutar e chorar para, então, compreendê-las!…


  4 Agora, homem que sou, pelo Foro Divino,

  Vivo de corpo em corpo a forjar o destino

  Que me leve a transpor o clarão das estrelas!…


ADELINO da FONTOURA Chaves — Poeta, contista, teatrólogo. Transferindo-se da Atenas Brasileira para o Rio de Janeiro, cedo percebeu A. Fontoura que nascera para o jornalismo. Trabalhou com Artur Azevedo na Gazetinha e com Lopes Trovão no Combate, e foi agente, em Paris, da Gazeta da Tarde. Patrono da cadeira n.° 1 da Academia Brasileira de Letras e da cadeira n.° 38 da Academia Maranhense de Letras. Autor de “Beatriz”, “Celeste”, “Atração e Repulsão” e tantos outros sonetos famosos, “é ele” — assinala Múcio Leão (in Dispersos, pág. 12) — “o caso único de um patrono de Academia que não tem nenhum livro publicado”. (Axixá, Maranhão, 30 de Março de 1855* — Lisboa, Portugal, 2 de Maio de 1884.)

(*) Sobre o ano do seu nascimento existe dúvida. Fernão Neves, em sua Academia Brasileira de Letras, Notas e Documentos para a sua História, e Velho Sobrinho, em Dicionário Biobibliográfico Brasileiro, indicam o ano de 1855. Artur Mota, em seus Vultos e Livros (1ª Série. Monteiro Lobato. S. Paulo, 1921), indica o de 1859.” (Múcio Leão, op. cit. pág. 7.)

Registamos a data conforme a Antologia da Academia Maranhense de Letras, pág. 78.



[1] Leia-se an/sio/sa, em três sílabas.


(Psicografia de Francisco C. Xavier)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir