Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Aulas da Vida — Autores diversos


28

Os três crivos

1 Diz você meu amigo, no trecho final de sua carta: “Que fazer, Irmão X, para desmanchar a trama de intrigas que nos sufoca a instituição? dia a dia, cresce o diz-que-diz. E, enquanto isso ocorre, a treva da obsessão, em nossas bandas, parece tiririca em terra largada. É perturbação trazendo perturbação. Que medida nos aconselha, que ideia renovadora você nos dá?”

2 Conselhos, meu caro, não os tenho.

Os princípios salvadores que abraçamos, no Evangelho de Jesus, falam por si e, de tal modo, que seria temeridade articular diretrizes no intento de ultrapassá-los.

3 Se posso, no entanto, formular referência ligeira, peço permissão para reportar-me a antiga lição que vários escritores atribuem a Sócrates.


4 Certa feita, um homem esbaforido achegou-se ao grande filósofo e sussurrou-lhe aos ouvidos:

— Escuta, Sócrates… Na condição de teu amigo, tenho alguma coisa de muito grave para dizer-te em particular…

5 — Espera!… — ajuntou o sábio prudente. — Já passaste o que me vais dizer pelos três crivos?

— Três crivos? — perguntou o visitante, espantado. — Sim, meu caro, três crivos. Observemos se a tua confidência passou por eles. 6 O primeiro, é o crivo da verdade. Guardas absoluta certeza, quanto àquilo que me pretendes comunicar?

— Bem — ponderou o interlocutor — assegurar, mesmo, não posso… Mas, ouvi dizer e… então… — Exato. 7 Decerto peneiraste o assunto pelo segundo crivo, o da bondade. Ainda que não seja real o que julgas saber, será pelo menos bom o que me queres contar?

Hesitando, o homem replicou:

— Isso não… Muito pelo contrário…

8 — Ah! — tornou o sábio — então recorramos ao terceiro crivo, o da utilidade, e notemos o proveito do que tanto te aflige.

— Útil?!… — aduziu o visitante ainda mais agitado. Útil não é…

9 — Bem — rematou o filósofo num sorriso — se o que me tens a confiar não é verdadeiro, nem bom e nem útil, esqueçamos o problema e não te preocupes com ele, já que de nada valem casos sem qualquer edificação para nós…


10 Aí está, meu amigo, a lição de Sócrates, em questões de maledicência.

Se pudermos aplicá-la, creio que teremos ganho tempo e recursos preciosos para rearticular o serviço, refazer a paz, realizar o melhor e seguir para a frente.


.Irmão X

(.Humberto de Campos)

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir